Gestão Inteligente da Manufatura

Por: Paulo Ricardo Motta Fagundes (1)

O momento em que estamos vivendo, o Mundo Depois do Coronavírus (Mundo DC), é um momento de muitas mudanças e adaptações necessárias nos modelos de gestão das organizações com fins lucrativos. As mudanças foram profundas e em uma velocidade jamais imaginada. Somadas às novas tecnologias e tendências do Mundo Antes do Coronavírus (Mundo AC), como as oriundas dos conceitos advindos da Indústria 4.0, como o Big Data, a Internet das Coisas, a Inteligência Artificial, a Impressão 3D entre outras, forçaram às empresas repensarem suas estratégica e técnicas aplicadas em seus modelos de gestão. Uma das necessidades para ajudar o processo de gestão posso chamar de Gestão Inteligente da Manufatura.

Esta gestão não é uma nova tecnologia ou modelo inovador de gestão, é a aplicação do capital intelectual da organização, ou seja, no conhecimento das pessoas que a compõe, para a geração de um planejamento e controle de seus processos de maneira otimizada. Otimizada é o termo que significa a obtenção do resultado ótimo em seus processos, ou seja, o melhor possível. A obtenção deste resultado ainda está baseada nas tecnologias e estratégias adotadas ainda nos anos 70 e 80.

Uma gestão inteligente quer dizer um planejamento e controle de todas às atividades que ocorrem em um processo de agregação de valor em uma empresa. Necessita como premissa básica de um bom sistema de gestão, inicia com um planejamento detalhado de como será modelado este sistema de gestão e posteriormente da implantação desta modelagem detalhada neste sistema. Inicia no cadastro básico dos itens que serão processados, dos clientes, prestadores de serviços e todos os necessários à gestão do negócio. Continua com a criação até o menor nível de detalhe das estruturas de produto e dos roteiros de fabricação, as quais deverão permitir a função controle de todos os processos pelo departamento de Planejamento e Controle da Produção. Segue com as estratégias de geração de lotes de produção e emissão das ordens de produção, apontamento destas ordens em tempo real em seus processos produtivos. Necessita da avaliação também em tempo real do desempenho de seus processos para a tomada imediata de ações corretivas, métricas para controle dos processos, determinação e avaliação da capacidade e desempenho em tempo real destes processos.

Estas estratégias já existem a muitos anos, muitas vezes não são utilizadas nas empresas, geralmente pela falta do capital intelectual nas organizações, ou seja, do conhecimento necessário à aplicação destas estratégias e técnicas. Aliadas às novas tecnologias que existem e que são inovadas constantemente, formam junto com o conhecimento e um sistema informatizado adequado, a base para a Gestão Inteligente da Manufatura.


(1) Engenheiro Mecânico, Mestre em Engenharia da Produção, Diretor da Master Plan Consultoria Industrial.